Divertido e fiél

02/07/2017

Mesmo direcionado ao público infantil, Carros 3: Correndo para vencer é muito mais que um simples joguinho sem graça

Tudo bem que o game foi lançado semana passada e estamos atrasados com nossa análise. Mas ainda dá tempo de entender um pouco sobre o agrado rápido que o material pode trazer aos papais e filhos nestas férias.

Não é por menos que a Pixar, em parceria com Warner Bros. decidiu então lançar o terceiro filme de Carros às vésperas das férias escolares de Julho. Pois assim, vender o ingresso de cinema fica mais fácil, gostar dos personagens mais ainda e tudo aquilo que remete à Macqueen e sua trupe se tornará, então, itens de choro se não comprados.

E um deles, pode apostar, será Carros 3: Correndo para vencer, distribuído para Xbox One, Playstation 4, Playstation 3 e Xbox 360.

Não dá pra falar que é um jogo necessário, mas que é bem legal, é. Não só com os adendos daquilo que admiramos nas animações do cinema, mas também em relação ao jogo "monótono", em parceria com a diversão, deixando qualquer idade gamer gostar.

A única coisa pecável foi ter sido lançado sem a mecânica de multiplayer, importantíssima nos jogos atuais, principalmente por se tratar de disputas. Mas isso não impede ser belo e honesto com sua intenção.

Com jogabilidade fácil, o material apresenta gráficos adequados e sonorização perfeita com a dublagem, igual ao desenho original, contando com as palavras mais do que icônicas de Mater, o gruincho caipira e amigo de Macqueen que quase sempre solta um "fio da mãe" quando é ultrapassado.

O roteiro não é complexo e vale quanto pesa, principalmente por se tratar de um jogo para ser curtido em família, com tomadas de jogabilidade dinâmica, porém no caminho já seguido por muitos outros jogos décadas atrás, como Mario Kart e cia.